Cavaleiro Andante

27.6.05

Fronteiras

Este é um mundo cada vez com menos fronteiras. Felizmente. Circulamos livremente entre um número crescente de países, não só no nosso espaço europeu como nos outros continentes. Lembro-me a complicação que era, há uns anos atrás, entrar em algumas zonas do nosso planeta. No ano passado passeamos sozinhos (e sem visto individual!) na Rússia (São Petersburgo)! Agora, ao folhear os dois livros sobre a Costa Rica (o nosso destino de férias para Agosto) que acabo de comprar na FNAC (estou em Lisboa), confirmo que nem vacinas nem vistos são necessários! Tudo isto, passando pelos inúmeros voos que nos ligam a todos os cantos do mundo e pela profusão de meios de comunicação e informação, como aqui a própria Internet e os Blogues, aproxima-nos uns dos outros como nunca antes sucedeu na história da humanidade. É certo que permanecem muitas desigualdades, é certo que este não é (ainda) um movimento em ambos os sentidos, mas é evidente que cada vez mais pessoas circulam e fazem da Terra o que não há muito apenas se fazia da nossa aldeia. Um espaço comum, onde as fronteiras se vão transformando, paulatina mas inexoravelmente, em espaços de liberdade e beleza.

Na fronteira entre o mar e a terra (Praia de Santa Bárbara, ilha de São Miguel – Açores)
Francisco 10:16 da tarde

5 Comments:

Just fabulous
É pena que se decidir casar com alguém da Costa Rica vai ver logo a quantidade de inimagináveis fronteiras que lhe vão levantar... dentor da Europa! O mundo tem muitas fronteiras legais. Só damos por elas em certas ocasiões. E essas fronteiras são estupidamente burocráticas e sem sentido.
FANTASTICO!!!!
Fascinada com a foto. Apetece-me dizer WOW!!!!

Um abraço, Francisco.
tem graça, na minha prainha existem uns cactos (penso que são cactos?!) iguais a esses. não na praia mas junto ao caminho.
beijinhos, Francisco.

Add a comment